Lonjuras

O que temos não são bem saudades.
Não foi, ainda, inventada a palavra que descreve o que se sente agora.
É como se o futuro tivesse chegado de barco sem esperar ou garantir que tínhamos água para o receber. Sem nos dar tempo de procurar âncoras ou de limpar o lixo dos portos e dos cais.
Julgo que o que temos é muita, muita pena.
Pena de não ter ido.
De não ter feito.
De não ter dito.
De não ter acabado.
De não ter começado.
De não ter olhado para trás mais demoradamente.
O que temos não são bem saudades.
O que temos são mais… “lonjuras”.
Foi para longe tudo o que conhecíamos como certo.
Ardeu no ar, sem deixar cinza, a certeza dos planos e das listas de tarefas.
O que temos não são bem saudades.
De repente, tornámo-nos ignorantes de viver.
Não sabemos. Ninguém nos preparou. Ninguém nos prepara.
Voltamos a correr de um lado para o outro para recuperar a ilusão de quem julga ser dono da sua vida.
A mochila que levamos, ninguém a vê. Mas ela vai carregada.
Vai cheia de coisas que ainda não têm nome.

~ Marta Arrais

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.