Vaguear pela certeza de nunca esquecer

Bato a porta devagar,
Olho só mais uma vez
Como é tão bonita esta avenida…

e esta avenida há-de ser sempre a tua

Frágil como as asas de uma vida

Liberdade

É o riso, é a lágrima
A expressão incontrolada
Não podia ser de outra maneira

cantos e contos

É a sorte, é a sina
Uma mão cheia de nada
E o mundo à cabeceira

os sons, as cores e o céu de Lisboa

Tudo muda, tudo parte
Tudo tem o seu avesso.
Frágil a memória da paixão…

a lágrima que se esconde

É a lua. Fim da tarde
É a brisa onde adormeço
Quente como a tua mão

e o silêncio

Mas nunca
Me esqueci de ti
Não não não não não nunca me esqueci de ti

Fazes-me falta V.

Vou ter saudades tuas a vida toda

Rui Veloso ft. Ricardo Ribeiro – Nunca me esqueci de ti