Estás à espera de quê?!

Estamos à espera que a vida abrande. Que nos corra devagar dentro das veias. Que nos acenda por dentro um pôr-do-sol demorado e com traços de infinito.
Estamos à espera de ter coragem. Coragem para saber perder mesmo quando a justiça devia ser feita à medida das nossas esperadas vitórias.
Estamos à espera de ter tempo. Para acabar os começos que deixámos pendentes e pendurados. Para abraçar com a força de mil marés o que só soubemos deixar escapar.
Estamos à espera de uma oportunidade. Para descobrir outras metades nossas. Para deixar pegadas mais fortes atrás do caminho turvo que fazemos.
Estamos à espera de arriscar. De fazer as malas com mais partidas do que chegadas. De arriscar querer tudo por inteiro. Sem espaços vazios para contar histórias.
Estamos à espera do momento. Aquele que há-de mudar tudo e transformar o que está enraizado debaixo do peito.
Estamos à espera da verdade. Aquela que se diz de boca cheia e que tem tentáculos capazes de nos fazer nascer outra vez.
Estamos à espera do silêncio. Aquele que não tem nada que ver com estar calado. Aquele que embacia as tristezas que nos esfolam a pele e que ousa escrever, nelas, alegrias.
Estamos à espera de quem já não volta. Porque a morte se pode aceitar mas não se pode esquecer. Porque a vida que está para lá desta parece sempre tão longe das nossas mãos. Porque a cara de quem era nosso parece querer esbater-se à medida que o tempo passa.
Estamos à espera de quem está para vir.
Estamos à espera do dia porque já se fez noite.
Estamos à espera da noite porque já se fez dia.
Estamos à espera que o passado passe.
Estamos à espera que o presente ponha o pé no acelerador.
Estamos à espera que o futuro nos prometa o que ainda não conseguimos prometer-nos.
Estamos à espera de uma desculpa para continuar à espera.
Estamos à espera que aquela pergunta em forma de pedra no sapato pare, simplesmente, de martelar na nossa cabeça e no nosso coração.

Estás à espera de quê?!
Estás à espera de quê para não esperar mais?!

~ Marta Arrais